5 passos para sair do vermelho agora mesmo

Anúncios

Você sabe como sair do vermelho? Que atire a primeira pedra quem nunca teve que enfrentar um momento de endividamento.

Se você nunca passou por isso, tenho certeza que pelo menos você conhece alguém que já passou por esses maus bocados em algum momento da vida.

Se você – como milhões e milhões de brasileiros – também está no vermelho e busca maneiras de sair dessa, esse post foi feito pensando em você!

Nele, reunimos os principais passos para quem quer sair do vermelho e se livrar das dívidas e quais os benefícios de quitar esses débitos o mais rápido possível.

Para facilitar a sua leitura, separamos os assuntos em tópicos, com os seguintes títulos:

  • Os perigos das dívidas
  • As principais causas de dívidas entre os brasileiros
  • 5 passos para sair das dívidas
  • Conclusão

Os perigos das dívidas

Anúncios

Nem preciso falar que, entre os perigos mais evidentes de uma vida com dívidas, o principal  é o constante risco dessas dívidas crescerem cada vez mais e se tornarem uma grande bola de neve, né?

É preciso lembrar que todos e quaisquer tipos de dívidas oferecem os temidos juros.

E muitas vezes a dívida em si nem é tão alta.

O que dificulta o pagamento total desse débito é a presença dos juros da transação, seja ela um empréstimo atrasado, uma dívida de cartão de crédito que saiu do controle ou aquele financiamento que comprometeu seu salário.

Além disso, outro perigo do endividamento é o famoso “nome sujo”.

Ao possuir débitos constando no seu CPF, o seu nome pode ir parar nas instituições responsáveis por lidar com essas dívidas – os famosos SPC e Serasa. 


As principais causas de dívidas entre os brasileiros

Cartão de crédito

Essa é, talvez, a principal causa de endividamento do brasileiro médio.

Essa dívida, na maioria dos casos, começa graças ao uso excessivo do cartão, resultando em uma fatura que ultrapassa o valor da sua renda mensal.

Devido a isso, muitos desses usuários cometem um erro clássico: a não quitação do valor integral da fatura, fazendo com que o cliente caia no crédito rotativo.

Esse sim é o grande vilão e causador do endividamento.

Graças aos juros altíssimos, o valor inicial da dívida pode duplicar – e até mesmo triplicar – tornando ainda mais difícil a quitação do débito.


Crédito pessoal

Outro item que contribui bastante para o endividamento dos brasileiros é o uso do crédito pessoal.

Isso acontece porque, de maneira geral, o acesso ao crédito pessoal é mais facilitado que outros tipos de empréstimo oferecidos no mercado.

Por não possuir tantas restrições na hora de solicitar, ele acaba sendo uma opção para muitos brasileiros.

O que acontece é que, ao pegar esse empréstimo – seja para lidar com uma emergência financeira ou até mesmo para realizar algum projeto – muitas vezes o cliente não se dá conta das consequências que esse tipo de crédito pode trazer.

Devido aos juros altos, muitas vezes o cliente acaba se enrolando na hora de administrar o pagamento das parcelas em dia, resultando em atrasos e, consequentemente, levando o nome do consumidor ao SPC ou Serasa.


Financiamento de veículos

Além da tão sonhada casa própria, outro sonho que, caso não seja planejado da maneira certa, pode se tornar um pesadelo é o sonho do carro próprio.

Ao buscar adquirir um veículo, muitos brasileiros acabam optando por realizar financiamentos.

Mas, ao realizar o pagamento, muitas vezes os valores das parcelas são mais altos do que a renda mensal do consumidor, comprometendo o seu orçamento.

Além disso, o surgimento de imprevistos financeiros podem resultar no atraso das parcelas, resultando no tão temido endividamento.


5 passos para sair das dívidas

Para tratar do endividamento de uma forma mais simples, reunimos alguns passos essenciais para quem quer dar o primeiro passo e começar a mudar a sua realidade financeira agora mesmo.

1- Anote os seus gastos

Eu sei, eu sei…essa pode parecer uma dica bem boba, mas vai por mim: faz toda a diferença!

O hábito de anotar os seus gastos te dará mais autonomia quanto a forma como você faz a gestão do seu dinheiro.

Dessa forma, você terá um controle maior sobre os seus créditos – o dinheiro que entra – e sobre os seus débitos – os gastos.

E para pôr em prática essa dica, vale tudo: tem uma afinidade maior com tecnologia?

Você pode optar pelo uso de uma planilha mais detalhada. Mas se você é do tipo que prefere os bons e velhos papel e caneta, separe um caderninho para poder realizar essas anotações.

Com esse controle, a sua vida financeira tem tudo para começar a entrar nos eixos.


2- Trace uma meta e estabeleça prioridades

Ao traçar uma meta, você conseguirá dar prioridade para esse plano de sair das dívidas.

Além disso, ao estabelecer prioridades, você colocará as contas mais importantes e que são essenciais em primeiro lugar.

Dessa forma, você conseguirá visualizar melhor os gastos que são realmente necessários e os que podem ser dispensados a curto prazo.

3- Chegou a hora de conter os gastos

Se livrar das dívidas é muito importante. Por isso, esse projeto requer muito empenho para que possa dar certo. E é nessa hora que entra a contenção de gastos.

Essa terceira etapa, que é o resultado da aplicação das duas dicas anteriores, é agora em que você terá que abrir mão de algumas coisas da sua vida para que possa atingir seu objetivo principal: sair do vermelho.

Isso não quer dizer que você precisará cortar todos os lazeres da sua vida, mas você terá que cortar alguns gastos mais supérfluos da sua rotina – como aquele barzinho todo final de semana ou aquele serviço de streaming que você mal usa –  para que sua vida financeira possa se organizar novamente.


4- Livre-se dos cartões de crédito

Essa, apesar de ser a etapa mais dolorosa para algumas pessoas, é uma das mais necessárias – principalmente para quem usa o cartão de crédito sem controle.

Ao se livrar dos seus cartões, você estará fazendo um enorme favor para o seu bolso.

Sem esses cartões, você não corre o risco de cair em tentação e realizar as tão comuns compras por impulso, resultando em mais dívidas.

O ideal é que você mantenha apenas um cartão de crédito para eventuais urgências, e só utilize em casos onde há extrema necessidade.


5- Busque renegociar suas dívidas

E por último, mas não menos importante: procure as instituições responsáveis e realize a renegociação das suas dívidas.

Quando trata-se de dívidas mais antigas, muitas empresas possuem planos de parcelamento e até mesmo de descontos para que o cliente busque quitar a sua dívida.

Para isso, entre em contato com essas empresas, explique a sua realidade e saiba mais sobre as opções de pagamentos que eles podem te oferecer.


Conclusão

Lidar com as dívidas pode parecer um bicho de sete cabeças, né?

Mas como deu para perceber ao longo do texto, ao adotar alguns passos simples, você poderá – nem que seja aos poucos – recuperar o controle das suas finanças.

Assim, você conseguirá lidar com a sua vida financeira de uma maneira mais saudável e sem dívidas.

Gostou do conteúdo? Então experimente ler Plataformas de Cashback: você conhece?

Compartilhe:

Posts Relacionados